quarta-feira, 14 de abril de 2010

Passarinho Solitário


Não durmo e sou como o passarinho solitário nos telhados. Salmo 102:7


Wolfgang Dircks morava em um apartamento alugado em Bonn, Alemanha. Em 1998, quando o banco deixou de descontar de sua conta o valor do aluguel, por falta de fundos, o dono entrou no apartamento para ver o que estava acontecendo.


Para sua surpresa e horror, ele encontrou apenas um esqueleto sobre uma cadeira, em frente à televisão. O aparelho de TV, embora quebrado, ainda estava ligado. Mais incrível ainda é que junto à cadeira estava um guia com a programação de TV para 5 de dezembro de 1993. Dircks provavelmente morrera naquele dia, e cinco anos depois, ninguém sentira sua falta!


Em Chicago, nas primeiras horas da manhã de seu último dia de vida, a Sra. Woodrum viu o porteiro do edifício onde morava trabalhando no apartamento em frente e o saudou com um cordial sorriso. Alguns segundos depois lançou-se do décimo andar daquele edifício, suicidando-se.


Sobre um móvel do seu apartamento a Sra. Woodrum havia deixado o seguinte bilhete: “Não posso mais tolerar esta terrível e enfadonha solidão. O telefone continua em silêncio. Não mais recebo cartas. Não tenho amigos.”


Episódios semelhantes têm acontecido em Sydney, Rio de Janeiro, Nova York, e em muitas outras cidades, grandes e pequenas. É com razão, portanto, que os especialistas classificam a solidão como sendo “a doença mais devastadora de nossa época”.


Davi enfrentou muitas vezes a dor da solidão no deserto, em cavernas e rochas, onde ia se refugiar para escapar de seus inimigos. Em sua solidão e abandono, o cantor de Israel exclamou: “Não há quem me reconheça, nenhum lugar de refúgio, ninguém que por mim se interesse” (Sl 142:4). “Volta-Te para mim e tem compaixão, porque estou sozinho e aflito” (Sl 25:16).


Solidão é falta de amor. A pessoa solitária ou não ama, ou não é amada, ou ambas as coisas. E o vazio infinito que todo ser humano possui na alma só pode ser preenchido por algo também infinito: o amor de Deus.


Felizmente, existe remédio: “Muitos estão sofrendo muito mais de males da alma do que de enfermidades do corpo, e não encontrarão alívio enquanto não forem a Cristo, o manancial da vida. Os queixumes de fadiga, solidão e descontentamento cessarão então” (Conselhos Sobre Saúde, p. 241).


Quando solitários e aflitos, vivendo as tristezas próprias das manhãs nubladas ou as angústias das tardes escuras, podemos confiar na promessa de Cristo: “Eis que estou convosco todos os dias” (Mt 28:20).


Derrame sua alma em oração e sinta a presença e o amor desse Amigo “mais chegado do que um irmão” (Pv 18:24).


Scheffel, Rubem M. Meditações diárias: com a eternidade no coração. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

8 comentários:

MARIA COSTA disse...

Oi amigo

Infelismente a solidão faz com que muitas pessoas se suicidem, pois quando a pessoa nao ama e nao é amada, a vida fica sem sentido, pois o amor é essencial para termos uma vida saudavel e alegre.Bjs

Lilian disse...

Olá querido amigo e Pastor Adolfino,

Um presente essa reflexão sobre a solidão.
Um alento ao coração as palavras de Deus.
Ninguém se sentirá só se as pessoas tiverem Deus em seus corações.
Perfeita sua colocação de que o vazio que o ser humano tem na alma só pode ser preenchido pelo amor de Deus.
É uma pena que as pessoas não percebam isso, não é Pastor? Pois, se percebessem que o amor de Deus e a sua misericórdia os libertam das angústias e os ampara no meio das tribulações e das dificuldades que inevitavelmente surgem no decorrer da vida, voltar-se-iam para Deus, para os seus ensinamentos, e teriam certeza de seu amor e seriam libertos dos males modernos. Seriam edificados pela palavra do Senhor e, certamente, não se sentiriam sós, e, via de conseqüência, não teriam atitudes extremas como a dos exemplos citados no texto.
Felicito-o pela excelente postagem. Muito edificante e nos faz refletir e constatar que só o amor de Deus pode nos livrar das angústias que nos levam à depressão.
A paz do Senhor!
Carinhoso e fraterno abraço,
Lilian

Jack Dieguito disse...

(...)Solidão é falta de amor. A pessoa solitária ou não ama, ou não é amada, ou ambas as coisas."
E por fim, essas criaturas vivem tristes e revoltadas.

legal a historia.
abçs

Sissym disse...

É dificil lidar com a solidao por muito tempo. Entendo que tem pessoas que gostam de viver sozinhas e outras odeiam. Num mundo cada vez mais egoista, que ninguem se importa de verdade com nada, tudo está cada vez mais fechado, lançando à solidão um monte de pessoas que jamais sonharam viver assim.

Principe Encantado disse...

Quando falta o Altíssimo em sua vida ai entra a solidão.
Belo texto meu Pastor.
Abraços forte

Marcia Teister disse...

Acho que as pessoas acabam se "afogando" em solidão por que estão sempre esperando pelo outro. Nunca dão o primeiro passo para a aproximação. A vida é feita de relacionamentos e não é se fechando em si mesmo que iremos atrair companhia, amizade, amor.
Tenho uma vizinha, que sempre pela manhã qdo. estou saindo para trabalhar ela está no jardim aguando suas plantas, qdo. ela se digna a levantar a cabeça eu lhe dou bom dia, ela responde e abaixa a cabeça de novo. Jamais dá a oportunidade de conversa. Qdo faço algum comentário tentando me estender ela fica calada e eu com cara de "pastel". Mas, eu insisto só pra ter certeza que o problema não sou eu.

Seu blog tem me ajudado num momento delicado. Seus posts tem me dado muita força.

Obrigada. Bjm

Alexandre Pitante disse...

Paz,

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.

Liza Leal disse...

O retorno foi demorado, mas valeu a pena. Conteúdo realístico e profundamente tocante!

Fiquei "emo.."

abç
=)