sexta-feira, 15 de maio de 2009

Opa!


Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. [...] Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar. Deuteronômio 6:6, 7, NVI.


Três outras senhoras e eu estávamos visitando internas numa penitenciária feminina. Eu já havia estado lá antes, e recapitulei as quatro páginas de regulamentos para poder entrar – que cores se pode usar, nada de sutiã com armação de arame nem chinelos de dedo.


Ao chegar, preenchi o formulário de visita com o nome da interna. Opa! Eu me havia esquecido de trazer o número da identidade dela. Isso precisou ser conferido. Depois, a guarda examinou o conteúdo daquilo que eu estava levando num saco plástico, e viu uma nota de vinte dólares. Opa, de novo. Ela trocou os vinte por notas de um dólar e moedas de cinqüenta centavos, e me sentei para aguardar a permissão de entrar.


Depois que fui chamada, tudo em mim foi cuidadosamente anotado – óculos, relógio, aliança, broche em forma de gato. Ao passar pelo detector de metal, ele buzinou. Fui instruída a retroceder e tentar novamente. Ele disparou de novo, e assim tirei os óculos. Depois o brochezinho. Continuou disparando. Foi então que me lembrei de estar usando uma roupa íntima estritamente proibida. Opa de novo! A guarda me instruiu como proceder, mas o detector buzinou mais uma vez.


Fui mandada para outro prédio, onde havia um estoque de roupas para visitantes que descumpriam os regulamentos. Provei um negócio preto que não deu certo, e ri sozinha ao pegar uma peça ousada de veludo vermelho. Quando finalmente fui para junto das minhas amigas, demos boas risadas por causa daquilo que eu usava embaixo do meu terninho preto.Estávamos atrasadas devido ao meu esquecimento e falta de atenção às regras da prisão. E não havia permissão de entrada sem o cumprimento estrito de cada regra.


Deus nos dá 10 regras, os Dez Mandamentos, como padrão pelo qual viver. Se eu cumprir fielmente Seus padrões na vida diária, serei admitida no Céu. Se não, a entrada me será negada, assim como quase aconteceu na minha visita à penitenciária. Meramente viver em harmonia com Seus padrões não me salvará, mas se eu seguir o texto de hoje e confiar na graça e no poder de Deus, posso ter a certeza de entrar no meu lar celeste. A obediência aos Seus padrões importa, sim.


Nancy Van Pelt

Um comentário:

Sissym disse...

Um texto diferente dos costumeiros no dihITT, gostei muito. Uma outra visão da vida, de fatos que nem imaginamos que alguém possa viver.
Bjs