sexta-feira, 12 de março de 2010

O Evangelho da Segunda Chance


E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. Lucas 15:20


Um dia, ao ultrapassar um caminhão, li o que estava escrito no parachoque traseiro:


Na estrada da vida não há retorno.


Uma verdade nua e crua. Muitos gostariam que houvesse retorno. Gostariam de dar marcha-à-ré na roda do tempo, para poderem evitar os erros cometidos no passado, aproveitar oportunidades perdidas, evitar negócios malfeitos, relacionamentos impróprios e tantas outras coisas. Retorno, na estrada da vida, não existe. Mas pode haver uma segunda saída, se você perdeu a primeira.


A Bíblia conta a história de vários personagens que tiveram uma segunda oportunidade na vida. Uma dessas histórias é a do filho pródigo – uma história sublime e maravilhosa, porque deu ao mundo uma nova concepção do inigualável amor de Deus pela humanidade perdida. É um evangelho dentro do evangelho.


E que evangelho é esse? O que foi que o filho pródigo recebeu quando deixou à terra longínqua, onde havia desperdiçado seus bens, e voltou para a casa do pai? Um abraço de boas-vindas! O pai, que estava de plantão, olhando o horizonte, esperançoso de que o filho voltasse, viu, nesse dia, uma figura andrajosa ao longe. Seria o filho esperado?


De repente, o pai o reconheceu. Correu ao seu encontro e lhe perguntou: “Mas onde é que você andou? O que você fez com todo aquele dinheiro que lhe dei? E que cheiro de porco é esse? Filho, faça o seguinte: Vá para casa, tome um bom banho, ensaboe-se bem, ponha umas roupas limpas, e daí a gente conversa.”


Foi isso que o pai fez? Não! Lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. Além disso, o filho recebeu perdão total por tudo que havia feito de errado. Foi restaurado à sua condição de legítimo membro da família. E o mais importante: recebeu uma segunda oportunidade para endireitar a vida.


Aqui está o coração do evangelho: Ao constatar o fracasso humano e as trágicas consequências do pecado, Deus provê uma segunda chance para que homens e mulheres possam ter êxito. Esta é a mensagem central da parábola do filho pródigo. Nós servimos a um Deus que nos ama tanto, que apesar dos nossos fracassos, está disposto a nos dar uma segunda e, às vezes, terceira, quarta ou quinta oportunidades de reencontrar o caminho que conduz à vida.


O evangelho da segunda chance é um amoroso convite de Deus para voltarmos à casa paterna.


Scheffel, Rubem M. Meditações diárias: com a eternidade no coração. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

5 comentários:

O Garoto do Blog. disse...

Muito bonito isso que você ecresveu meu amigo mais,no mundo de hoje na minha eu falo apenas por mim viu,na minha vida eu nunca tive uma segunda chance e achop que nunca vou ter,eu sou um constantine da vida que luta por uma segunda chance de entrar no céu,a unica diferença entre o verdadeiro constantine e eu é que ele teve sua segunda chance enquanto eu eu viví minha vida toda e vou viver sem saber como é ter uma segunda chancecomo é ter uma nova oportunidade para corrigir os meus erros mais eu acho que isso não será possivel mais eu continuo lutando para que um dia isso seja possivel constantine tambem n ão desistiu e eu não irei desistir tambem espero um dia saber como é ter uma segunda chance.

P.S. Sinceramente: O Garoto do Blog.
scorpion-kiss.blogspot.com

Sissym disse...

Eu sempre tenho esperança do que estava ruim poder ficar bom, do que ficou esquecido, apagado, ferido no passado seja melhorado para viver em harmonia no futuro. Nem sempre é possível. Mas eu já perdi 2 oportunidades que não voltaram: um emprego no exterior e um amor, um homem bacana que conheci há muitos anos atrás e queria ficar comigo, não me dei a chance.
Beijos

LISON disse...

Que Post Fantástico!
PR. ADOLFINO, o seu texto nos presenteia com uma das mais brilhantes passagens bíblicas. E você tem toda a razão quando nos relata sobre a importância de fazer a grande reconciliação com Deus, aliás, primeiro deve ser com Jesus, por quê? Porque, segunda a própria palavra, ninguém vai ao pai senão pelo filho.
Agora, algumas vezes fico divagando em pensamentos sobre as oportunidades que Deus em sua bondosa misericórdia, nos oferece e na maioria das vezes deixamos escapar por puro excesso de confiança, de repente é uma fé secreta que nos move em sonhos que surgirá outra e mais outra chance. Não sei, o ideal seria, umas setenta vezes sete.
Vou para por aqui. Parabenizo-o por mais um magnífico artigo!
Abraços,
LISON.

Joselito disse...

Grande Adolfino, eu acredito que a maioria das pessoas sempre tem uma segunda, uma terceira e até mais chances, entretanto somos "cegos" e não conseguimos ver ... e deixamos passar uma, duas, e tres ... e ainda continuamos pedindo uma outra chance!

Carolbio disse...

Todos merecem uma segunda chance mesmo amigo....
mesmo que não se possa voltar no tempo...
e reparar os danos feitos...
O Salvador morreu para que tivessemos uma
ou ate sete segundas chances,,,
mto lindo texto e teu blog
bjo